top of page
Buscar
  • Foto do escritor2M Pharma

Rinite Alérgica: Aliados Naturais

Atualizado: 2 de ago. de 2023


Como Reforçar o Sistema Imunitário das Crianças com MTC

A rinite alérgica (RA) é uma condição inflamatória comum da mucosa nasal, mediada inicialmente por imunoglobulina E. Esta doença atópica caracterizada por sintomas de congestão nasal, rinorreia, espirros, gotejamento pós-nasal e prurido nasal, atinge o auge entre a segunda e a quarta década de vida, diminuindo depois gradualmente. A incidência da RA na população pediátrica é também bastante elevada, tornando-a uma das doenças pediátricas crónicas mais comuns.1 A rinite alérgica sazonal parece ser mais comum no grupo etário pediátrico, enquanto a rinite crónica é mais prevalente nos adultos.2


As plantas medicinais e os seus metabolitos bioativos possuem diferentes mecanismos de ação e propriedades no alívio dos sintomas alérgicos. Os microelementos e as vitaminas são importantes na imunomodulação e proteção antioxidante.


É possível recorrer a uma terapia mais natural e simultaneamente segura e eficaz. O avanço da investigação científica comprova os benefícios nos sintomas nasais e na qualidade de vida dos doentes com RA.


A 2M Pharma recomenda:

hawa®allerg



Nutracêutico capaz de regular a expressão e produção de mediadores e recetores inflamatórios. A ação sinérgica das várias substâncias utilizadas potência um alívio no quadro sintomatológico, sem efeitos secundários relevantes.


MSM

Alívio dos sintomas de rinite alérgica e de congestão nasal 3


Quercetina

Inibe a produção e libertação de histamina e outros mediadores pró-inflamatórios 4


Plantago lanceolata

Efeito emoliente, antialérgico, anti-inflamatório e expetorante 5


Zinco

Relação direta entre os níveis séricos de zinco e a sensibilização alérgica por IgE 6


Manganês | Cobre


Cofatores essenciais para a síntese da enzima superóxido disputase


 

Stimunal Spray®


STIMUNAL® Spray é uma solução salina isotónica para a lavagem e higiene da cavidade nasal e orofaringe por adultos e crianças com mais de 3 anos. Não contém qualquer substância medicamentosa.


As mais recentes declarações de consenso e a revisão Cochrane recomendam a lavagem nasal com uma solução salina no alívio dos sintomas da RA e melhoria da qualidade de vida 7,8


Mecanismos de funcionamento:9

  • Limpeza mecânica de muco, crostas, resíduos celulares e contaminantes transportados pelo ar (agentes patogénicos, alergénios, partículas, etc.);

  • Dilui o excesso de muco;

  • Aumenta a depuração mucociliar;

  • Reduz a concentração de antigénios na cavidade nasal e seios paranasais

  • Diminui o edema.


Enriquecido com:

Soro fisiológico

Favorece a eliminação de patógenos e a hidratação das vias respiratórias

Calêndula

Promove uma sensação de conforto e um efeito calmante nas mucosas

Cobre

Proteção celular contra o stress oxidativo

Vitamina C

Participa na defesa contra infeções e proteção dos vasos sanguíneos

Vitamina B6

Essencial para uma resposta imunitária normal, especialmente a resposta imunitária anti-inflamatória

Solução salina para:

Prevenção

Rotina diária na lavagem e higiene da cavidade nasal e orofaringe

Tratamento

Alívio dos sintomas de alergia e melhoria da respiração



Segurança e eficácia:

Meta-análise de 14 estudos sobre a lavagem nasal na rinite alérgica (747 participantes). Os estudos envolveram crianças (499 participantes) e adultos (248 participantes). Os autores concluíram que a irrigação nasal com solução salina pode ser benéfica para adultos e crianças no alívio dos sintomas da rinite alérgica em comparação com a ausência de irrigação salina. Pouco provável a ocorrência de acontecimentos adversos.7


Numa outra meta-análise envolvendo 40 estudos, os resultados mostram que a lavagem nasal salina parece ser eficaz, bem aceite e tolerada pela maioria das crianças com rinite alérgica (78% a 100%). Além disso, tem um impacto positivo significativo na qualidade de vida das crianças.8


Filipa Falcão, Naturopata Cédula profissional nº C-00265




1 Wheatley LM, Togias A. Clinical practice. Allergic rhinitis. N Engl J Med. 2015 Jan 29;372(5):456-63. doi: 10.1056/NEJMcp1412282. PMID: 25629743; PMCID: PMC4324099.

2 Varshney J, Varshney H. Allergic Rhinitis: an Overview. Indian J Otolaryngol Head Neck Surg. 2015 Jun;67(2):143-9. doi: 10.1007/s12070-015-0828-5. Epub 2015 Jan 31. PMID: 26075169; PMCID: PMC4460099.

3 Hewlings, S., & Kalman, D. S. (2018). Evaluating the Impacts of Methylsulfonylmethane on Allergic Rhinitis After a Standard Allergen Challenge: Randomized Double-Blind Exploratory Study. JMIR research protocols, 7(11), e11139 https://doi.org/10.2196/11139 .

4 Ulusoy, H. G., & Sanlier, N. (2019). A minireview of quercetin: from its metabolism to possible mechanisms of its biological activities. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 1–14. doi:10.1080/10408398.2019.1683810.

5 Beara, I. N., Lesjak, M. M., Orčić, D. Z., Simin, N. Đ., Četojević-Simin, D. D., Božin, B. N., & Mimica-Dukić, N. M. (2012). Comparative analysis of phenolic profile, antioxidant, anti-inflammatory and cytotoxic activity of two closely-related Plantain species: Plantago altissima L. and Plantago lanceolata L. LWT- Food Science and Technology, 47(1), 64–70. doi:10.1016/j.lwt.2012.01.001.

6 Seo HM, Kim YH, Lee JH, Kim JS, Park YM, Lee JY. Serum Zinc Status and Its Association with Allergic Sensitization: The Fifth Korea National Health and Nutrition Examination Survey. Sci Rep. 2017;7(1):12637. Published 2017 Oct. doi:10.1038/s41598-017-13068-x.

7 Head K, Snidvongs K, Glew S, Scadding G, Schilder AGM, Philpott C, Hopkins C. Saline irrigation for allergic rhinitis. Cochrane Database of Systematic Reviews 2018, Issue 6. Art. No.: CD012597.

8 Gutierrez-Cardona N, Sands P, Roberts G, Lucas JS, Walker W, Salib R, Burgess A, Ismail-Koch H. The acceptability and tolerability of nasal douching in children with allergic rhinitis: A systematic review. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2017. 98:126-135.

9 Succar EF, Turner JH, Chandra RK. Nasal saline irrigation: a clinical update. Int Forum Allergy Rhinol. 2019 May;9(S1):S4-S8. doi: 10.1002/alr.22330. PMID: 31087631.




172 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page